Lei de Incentivo à Cultura
Marcos Losnak

Folha de Londrina - 17/05/2000

“A companhia Verve utiliza linguagens de múltiplas vertentes da dança contemporânea para representar um ambiente folclórico de raiz. O que aparentemente seria uma contradição, tornar-se um desafio estético. No caso de “Truveja Pra Nóis Chorá”, a solução encontrada se revela claramente adequada através do uso da simplicidade. Ao instaurar a quebra de movimentos sem a queda da harmonia, sugere o rompimento da velocidade naturalista para a possibilidade de um tempo não linear dentro de uma narrativa teatral.

A montagem da companhia revela uma criatividade sem amarras. Um desprendimento criativo acompanhado de uma energia jovem que as companhias velhas consagradas geralmente não conseguem transpirar. Essa criatividade despretensiosa faz que “Truveja” adquira uma certa leveza que caminha para um humor sem ressentimentos”.